PARAÍSOS

10632721_10203536730731421_5386385251990804914_n

Interessante o que o conhecimento nos proporciona….ele sempre nos expulsa dos paraísos que criamos e nos acomodamos, por sinal a falta dele é enaltecida pelo profeta como causa da perdição (Os 4,6).

Falo do conhecimento a partir do amor, a qual todos os outros saberes, seja ele científico, antropológico, filosófico, sociológico, psicológico, artístico ou teológico devem se submeter e reverenciar. Para se ter acesso a ele nem é preciso saber ler ou escrever, apenas se interessar pelo bem.

Ele nos expulsa do paraíso de uma fé mesquinha, reducionista onde deus (com “d” minúsculo) é criado a imagem e semelhança das nossas experiências, vontades e projeções,onde se despreza a carne e a inteireza das potencialidades humanas.

Ele nos expulsa do paraíso da hipocrisia farisaica, que exclui o diferente, o ser humano, nosso irmão, que vitimado pela sua história ou por qualquer outra razão que não nos cabe julgar, fez escolhas opostas às nossas.

Sim, é bem mais fácil vive nestes paraísos exclusivistas, que na verdade não passam de um Inferno disfarçado de boas intenções, moral e religião…

Difícil mesmo é adentrar o Paraíso dos avessos e das diferenças, o que para muitos pode se tornar um verdadeiro inferno..pois nele se perde a primazia do direito a razão da verdade absoluta!

Ah.. o Paraíso dos avessos, lugar onde leão e cordeiro convivem juntos, onde homem e mulher estão lado a lado, desnudos das cascas e proteções que ocultam a verdade sobre nós mesmos, onde a integração com a criação é sentida e a abertura da consciência tem o tamanho do eterno, lá onde Deus não é mesquinho e não tem religião… mas é apenas AMOR!

Neste Paraíso quero adentrar, estar e viver, apenas viver, pois lá a morte não existe…dos outros, faço questão de ser expulso!

Ricardo Oliveira, Vida, Espiritualidade e Música
Copyright © 2014 – Todos os direitos reservados

UMA FOTO DE INVERNO

Tags

, , ,

Quantas cores existem no horizonte…quantos sentimentos existem no coração   humano!
O inverno tem suas belezas, que podem passar despercebidas por causa do    frio   que nos leva ao escondimento…mas a cada rigoroso inverno uma linda  primavera é gestada!
É inverno fora e dentro de mim!

DSC_0065

Em uma dessas tardes de inverno me deparei com um lindo pôr do sol na região da Serra do Cipó, não queria perder aquela imagem, o que mais me chamava atenção era a variedade de cores que se misturavam no crepúsculo em um momento único, quis logo registrar aquilo, pois logo a visão se perderia devido a geografia da estrada, então em um instante, em uma  curva fotografei a linda imagem que elevou a minha alma em contemplação.

Quantas cores existem no horizonte…quantos sentimentos existem no coração humano!
O inverno tem suas belezas, que podem passar despercebidas por da pressa em se esconder do frio, nos fazendo perder algumas belezas peculiares deste tempo.

Assim é a vida, quando chega o inverno, onde tudo seca, se esfria, a ansiedade para que este momento tão logo passe nos priva da necessidade e do direito de bem vivê-lo, de ver a beleza que pode existir nessa estação.

Mas pode existir beleza no inverno?
O corpo que sente frio, a pele que se resseca, os problemas respiratórios que aumentam, as árvores que secam, os animais que se escondem  nos falam da necessidade de proteger-se, de buscar abrigo, de cuidar de si mesmo e de se aquecer…no inverno, senão cuidarmos de nós mesmos comprometemos nossa própria vida!

A outra grande mensagem que o inverno me traz é a da esperança, afinal de contas, a cada rigoroso inverno uma linda primavera é gestada!

Seu inverno está gestando primaveras, se você quer vê-las prepare-se, se proteja, se aqueça e sobrevida a ele!

É inverno fora e dentro de mim…bom inverno!

Ricardo Oliveira, Vida, Espiritualidade e Música

Copyright © 2014 – Todos os direitos reservados

[https://www.youtube.com/watch?v=JdLhSU9MLRM]

AS CHAVES DA CURA

Tags

, , , , , , , ,

Solidao

RESSENTIMENTOS COM DEUS

Então foi em vão que conservei o coração puro e na inocência lavei as minhas mãos? (Sal 72,13)

Perdoar a Deus?

Pode parecer estranho, mas muitas pessoas precisam, e se trata de um importante estágio da cura através do perdão.

A imagem de Deus como Pai, está profundamente ligada a figura do pai biológico, pois a idéia de paternidade é naturalmente estabelecida a partir da pessoa e do relacionamento com o genitor, ele é a primeira referência palpável que temos sobre o “ser pai”. Diante de um pai que apresenta falhas como ausência afetiva, alcoolismo, violência, traição, etc., pode haver uma associação de figuras e o surgimento da idéia de que Deus não é tão bom assim.

Quando nos deparamos com um desejo não realizado, logo podemos pensar que Deus é distante e desinteressado, diante da doença, alguma tragédia ou morte, o julgamos violento e vingativo, e quando vemos os outros se realizando emocionalmente ou materialmente, Deus pode estar nos traindo ou mostrando sua predileção por outro filho.

Racionalmente entende-se que são pessoas diferentes, mas inconscientemente as figuras estão relacionadas, como conseqüência o relacionamento com Deus fica limitado e reduzido a uma projeção. Com isso entendemos melhor a grande importância do perdão ao pai biológico, pois só a partir daí conheceremos e experimentaremos o amor de Deus Pai como realmente é, sem interferências e sombras, ao compreender estas realidades liberamos Deus da culpa colocada sobre Ele, tal atitude é perdão a Deus!

É possível perceber o ressentimento para com Deus surgindo em algumas situações:

1º – Na vida daqueles que vivem indiferente a fé, como se Deus fosse algo inacessível e que não se importasse com os problemas do ser humano, em um ateísmo declarado ou não. Enxergam Deus como o culpado por todos males da humanidade desde as crises interiores até aos grandes dilemas como a fome, doenças ou guerra.

2º – Nos indivíduos receberam uma formação cristã, aprenderam na catequese sobre o Deus que é Pai, e até procuram ter uma vida de fé através das tradições e religiosidade, porém ainda sem uma experiência profunda e real do amor de Deus.

3º – A transferência da culpa também acontece no interior das pessoas que já conseguiram perdoar o próximo e a si mesmo. Que Sentem o amor de Deus e começam a ir mais fundo em sua espiritualidade, mudam de vida, deixando de lado o que antes afastava do Senhor, muitas vezes passam por grandes renúncias e vivem um lindo processo de conversão geralmente prestando algum serviço, são os servos e ministros do Senhor.

Quando o servo passa por tribulações e não é atendido no tempo e da maneira desejada, pode surgir em seu coração a neblina da desconfiança, principalmente ao perceber que aqueles julgados como pecadores,  maus e indignos estão prosperando. Infelizmente tenho visto muitas pessoas abandonarem toda uma vida ao lado do Senhor por não agüentarem mais esperar, ficando no coração apenas a mágoa para com Deus.

4º – No coração daqueles que se decepcionaram com a Igreja, seus ministros e pessoas que falam “em nome de Deus”, projetando sobre o Pai a frustração e a mágoa da decepção causada pelo suposto representante da sua Palavra.

Amigos, independente da situação, é preciso olhar além, saber que o primeiro interessado em nosso bem é o próprio Deus, pois nos ama incondicionalmente, que Ele é não é como o pai biológico com seus erros, que não é como aquele ministro da Palavra que não deu testemunho, e muito menos como um comerciante que negocia merecimentos para a benção.

Deus é Amor! Ele é o Pai Perfeito, incapaz de errar ou desejar o mau dos seus filhos tão amados.

Muitos gigantes da fé e profetas também passaram por crises na fé, como o salmista a  questionar o “mistério da prosperidade dos maus” (Salmo 72), mas eles não se estagnaram na dúvida, buscaram as resposta de coração humilde descobrindo um amor simples, porém intenso e efetivo, descobriram que basta apenas desarmar o coração e deixar o Pai se aproximar e nos amar, sem medo de ser feliz!

Libere Deus da culpa que você colocou sobre Ele, olhe para a Cruz, Ele te ama!

“Quando eu me exasperava e se me atormentava o coração, eu ignorava, não entendia, como um animal qualquer. 

Mas estarei sempre convosco, porque vós me tomastes pela mão. Vossos desígnios me conduzirão, e, por fim, na glória me acolhereis.

Afora vós, o que há para mim no céu? Se vos possuo, nada mais me atrai na terra.

Meu coração e minha carne podem já desfalecer, a rocha de meu coração e minha herança eterna é Deus.” (Sal 72, 21-26)

Ricardo Oliveira, Vida, Espiritualidade e Música

Copyright © 2013 – Todos os direitos reservados

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.